FECAM e AMPLASC assessoram municípios para reorganização do calendário escolar 2020

Publicado em 13/08/2020 às 22:36 - Atualizado em 13/08/2020 às 22:39

Por meio do Colegiado de Educação da AMPLASC, integrado pelos titulares das Secretarias de Educação dos 7 municípios que compõe a associação estiveram reunidos, virtualmente, em 5 de agosto para o levantamento dos principais desafios cercam a retomada das aulas em tempo de pandemia.

A iniciativa proposta pela Federação dos Municípios Catarinenses (FECAM) visa reorganizar o calendário escolar 2020. A AMPLASC tem prestado assessoramento necessário para coleta de dados e posteriormente analise da viabilidade de retomada do ensino presencial.

Para a Assessora de Política de Educação da FECAM, Gilmara da Silva, as preocupações concentram-se em cumprir com o currículo dos ensinos infantil, fundamental, até a Educação de Jovens e Adultos (EJA). Outra frente de ação está na análise e validação da estrutura preliminar de apresentação do Plano Territorial.

É neste item que recaí a importância da colaboração dos profissionais de educação.

Com isso, há uma pesquisa pelas secretarias de educação para identificar quem pertence ao Grupo de Risco da Covid-19. As declarações são prestadas pelos próprios professores.

Gilmara explica que serão 4 etapas:

1ª Auto Declaração

2ª Triagem com Secretaria de Saúde dos municípios;

3ª Comprovação das cormobidades;

4ª Definição das funções que poderão exercer enquanto afastados por integrar o Grupo de Risco;

Gilmara esclarece que este trabalho consiste em respeitar o profissional de educação.  “O mais importante é dar a oportunidade do servidor se manifestar. Dizer quais são suas angustias, as cormobidades que têm ou outro problema de saúde que tenha”, finaliza.

O planejamento de reorganização do calendário escolar levará um tempo mas, a primeira etapa esta sendo conduzida pela FECAM e AMPLASC.

Obs: Na auto declaração, se enquadra no Grupo de Risco os profissionais acometidos das cormobidades específicas para Covid-19, definidas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), dentre elas: Cardiopatia, Obesidade, Mórbida Diabete, Doença respiratória, Doença renal e Hipertensão

Fonte: Assessoria de Comunicação da AMPLASC